Página Inicial / Especial / A Lenda de Korra, romance lésbico e sensacionalismo

A Lenda de Korra, romance lésbico e sensacionalismo

Quando a polemica é mais importante que o conteúdo.

A maioria de vocês já deve saber que o desenho Avatar a Lenda de Korra entrou na grade do SBT no dia 22 de Julho e está sendo exibido no Bom Dia Cia, vejam abaixo a descrição que o próprio canal divulgou em seu site:
A animação conta a história da adolescente Korra, que chega a um grande centro urbano chamado Cidade da República onde vivem pessoas de todas as nações e dobradores (humanos com o poder de controlar elementos naturais) com a finalidade de dominar seus poderes. Lá, encontra gangues criminosas de dobradores e um grupo antidobradores! Apesar de todo perigo, a valente Korra terá força suficiente para se revelar a avatar, salvando sua tribo?
Até ai tudo certo né?
O que tem me incomodado é o fato de que em muitos locais isso tem sido divulgado com o seguinte titulo: “O SBT vai exibir série com romance lésbico”.
Claro que isso não é regra e cada um tem o direito de escolher a forma como vai intitular suas notícias da forma que achar melhor, mas qual o motivo para se utilizar um titulo desse quando a série não é focada neste romance?
A Lenda de Korra conta  a historia de uma garota que carrega em seus ombros um legado que é passado durante gerações, quando a paz no mundo está ameaçada o Avatar surge para trazer o equilíbrio, e é o único ser capaz de dominar os quatro principais elementos da natureza: Terra, Água, Fogo e Ar.

A jovem se muda para uma nova cidade onde terá que aprender a dominar os quatro elementos e no meio do caminho conhece novos amigos, se envolve num romance (heterossexual) e ainda tem que lidar com a possibilidade de perder todos os seus poderes. Tudo isso apenas na primeira temporada.
Em meio a todos os desafios enfrentados durante suas aventuras Korra ainda precisa alcançar o equilíbrio espiritual para invocar o estado Avatar que é onde ela atinge o ápice do seu poder para enfrentar o maior vilão de todos, salvar a cidade de uma invasão espiritual e derrotar inimigos muito poderosos.
A saga da Avatar trata do empoderamento feminino sem tratar a mulher apenas como um objeto de desejo, ela não precisou ser sexualizada para chamar a atenção do publico, seu carisma e sua personalidade são suas principais características e tudo isso com tamanha simplicidade e sensibilidade para ser visto e entendido por crianças.
unnamed
A mídia em geral anda muito preocupada apenas em obter cliques e não em informar ou mostrar como uma animação pode ajudar a construir o caráter de uma pessoa e eu como Nerd digo com toda a certeza que muitas dessas animações, filmes, quadrinhos e afins me ajudaram muito a construir a minha personalidade e a pessoa que sou hoje em dia.
Podemos tomar como exemplo os animes, onde a amizade é algo muito importante, independente de ser entre pessoas de sexos opostos ou do mesmo sexo. Um exemplo recente que podemos observar é a amizade e os laços formados entre o Naruto e o Sasuke. Eles tem uma ligação tão forte que para nós ocidentais parece até mesmo que rolava uma ligação homossexual entre os dois, mas quem esta acostumado a consumir esse tipo de mídia sabe que os Japoneses valorizam, e muito, os amigos e as promessas que são feitas.
Durante as temporadas de Avatar, tanto na temporada do Ang como na Lenda de Korra, fica perceptível a influencia oriental nos traços, nas cenas de ação e na historia. Se eu não tivesse acompanhado os boatos que rolaram poderia ter entendido esse final “polêmico” apenas como uma amizade entre duas garotas.
O fato é que na sociedade atual os cliques e visualizações são muito importantes para quem quer “sobreviver” nesse grande mundo que é a internet, mas até que ponto vale a pena fazer uma chamada sensacionalista como essa?
Quando eu leio um titulo desses sinto que as pessoas estão subestimando seus leitores, afinal você é incentivado a consumir um determinado conteúdo e no final o que encontra não é nada daquilo.
Não quero minimizar o fato das personagens serem lésbicas, pelo contrario, eu achei sensacional, mas isso precisa ser realmente o fator mais importante para nos incentivar a acompanhar essa série?

Sobre Angresson da Silva

Nascido em 88, ariano, meio diferentão devido ao ascendente em aquário e que adora conhecer novos animes, mangás, HQ's, jogos, filmes e séries, sempre se preocupando com a representatividade em todas essas mídias. Ainda não formado, mas gosta de escrever suas opiniões e se auto intitula um Nerd Fajuto por não se identificar com os padrões de muitos Nerds.

Veja Também

Evento | Ressaca Friends 2017

Nos dias 16 e 17 de dezembro acontece a 14ª edição do Ressaca Friends, o …

  • frankendraculasomem

    Não sabia que a personagem era lésbica, tive que pesquisar para entender e pelo o que eu entendi isso é revelado apenas nos capítulos finais, correto? (não assisto o desenho). Se a homossexualidade da personagem principal só é revelada no final da série, acho que a temática LGBT passa longe do desenho como um todo, logo chamar de “série lésbica” é realmente um grande exagero. Mesmo se a homossexualidade da personagem fosse revelada logo de cara, mas não fosse o tema central da história, ainda seria exagero. De qualquer forma, acredito que se o personagem principal fosse um homem gay, mesmo na mesma situação, o escândalo seria muito maior.

    • Nerd Fajuto

      O fato personagem ser lésbica ficou sub-entendido no final da animação, até que o produtor confirmou essa informação.
      Concordo com as suas palavras e te dou uma dica: assista A Lenda de Korra, é muito bom e vale a pena acompanhar, assim como a temporada anterior que conta a história do Aang.
      🙂

  • Tieser Centeno

    achei a serie muito boa, e quando soube que REALMENTE as duas (a Korra e a Asami) ficam juntas, gostei bastante da representatividade…!! adsdsa
    mas ao pensar por esse lado, perde bastante da graça, do “a quê”, daquilo que fazia da história um pouco mais interessante!! dassda 😛 🙁 mas vou continuar gostando da seria A Lenda de Korra por me ser tão inspiradora, e pelo fato de, como VÁRIAS outra história sobre uma personagem feminista, poder ser uma garota guerreira, lutadora, sonhadora, amiga, feminina e humana (em especial), alem de outras coisas, sem deixar de ser quem é, sem mudar ou transfigurar o seu cerni e nem o caráter, principalmente o de uma pessoa que cresce individual, espiritual, física e heroicamente (falando…)!!!