Página Inicial / Especial / [Especial] Heróis gays das HQ’s – Meia Noite

[Especial] Heróis gays das HQ’s – Meia Noite

Meia-Noite é um cara violento, boca suja e muito poderoso.

Codinome: Meia-Noite

Nome: Desconhecido (ele utiliza o nome Lucas Trent, nome dado por sua filha adotiva, Jenny Quantum).

Nacionalidade: Desconhecida.

Raça: Humano.

Poderes: Prever as ações do adversário, estrategista, visão ampliada, força e velocidade sobre-humana.

Em 1997, a editora Wildstorm decidiu criar uma versão mais violenta da Liga da Justiça. Assim surgiu a equipe Stormwatch, criada pelos autores Warren Ellis e Bryan Hitch. Um time com beberrões, violentos e assassinos, capazes de fazer o que for necessário pra salvar a Terra.

Dentre os integrantes da Stormwatch, estavam os personagens Apollo e Meia-Noite, abertamente inspirados em Superman e Batman. A inspiração foi apenas na aparência e nos poderes dos personagens, porque o resto difere totalmente.

Após Stormwatch, Apollo e Meia Noite integram outra equipe, a Authority. The Authority é uma equipe organizada para agir contra terroristas super poderosos, alienígenas e qualquer ameaça contra a humanidade (leia-se, Estados Unidos). A equipe servia para dar porrada e solucionar problemas, quando o diálogo não era uma opção.

Authority

Authority surge num mundo onde os supergrupos não conseguiram êxito na luta contra as ameaças globais e espaciais. A equipe possui uma líder, Jenny Sparks, que é mais durona que qualquer personagem que você possa ter conhecido em alguma HQ. Mas vamos para o que nos interessa. Apesar de The Authority ser uma série excelente, abordando temas sobre política internacional, terrorismo e limites territoriais em um mundo globalizado, Meia-Noite é o personagem que mais causou polêmica e trouxe um perfil diferente do estereótipo gay que muitos leitores estavam acostumados.

Meia-Noite é um cara violento, boca suja e muito poderoso. Sua principal habilidade é de calcular as possibilidades de ações do adversário e assim “prever” seus movimentos, então o torna praticamente invencível.

Em The Authority, Meia-Noite é um sujeito letal, que resolve qualquer missão na porrada, no estilo Quentin Tarantino. O (anti) herói não faz muita questão de sobreviver nas missões que lhe são designadas, atacando primeiro e perguntando depois.

Apesar de ser um badass, Meia Noite está sempre protegendo os colegas de equipe, especialmente o marido, Apolo. E caso alguém toque em um fio do cabelo prateado do companheiro do Meia Noite, geralmente dá adeus a este mundo.

ApoloMeiaNoite

Só para dar um exemplo, em Authority, ele enfrenta o Comandante (uma versão do Capitão América, no universo Wildstorm) um fantasiado apoiado pelo governo dos EUA e ao mesmo tempo um estuprador em série, que captura marido de Meia Noite. Comandante estupra Apolo, e como vingança Meia Noite sodomiza Comandante com uma britadeira (!).

Britadeira

Apollo e Meia-Noite se casam, mas como todo casal, tiveram diversas brigas, voltaram, e até mesmo adotam a pequena Jenny Quantum como sua filha.

Após algum tempo a DC, que adquiriu a Wildstorm, retoma Stormwatch, mas agora conectando a equipe com o universo DC. Stormwatch se transforma em uma equipe que realiza missões sigilosas para as Nações Unidas, liderada pelo Caçador de Marte. Nessa nova fase, Meia-Noite e Apolo são apenas namorados.

A DC, com os novos 52, tenta contar a origem do Meia-Noite (que na minha opinião, ficou bem estranha). Ele é um jovem do interior que foi abduzido por Aliens quando tinha quatorze anos. Os aliens fizeram experimentos nele, e assim oficialmente ganhou o nome de Lucas Trent.

StormwatchNEW52

Recentemente, Meia-Noite ganhou seu próprio título. É o primeiro herói assumidamente homossexual a ter seu próprio título de uma HQ. Nesta nova fase, Meia-Noite não é mais casado com Apollo, e curte a vida de solteiro nas horas vagas.

O personagem interage com outros heróis do universo DC, ao mesmo tempo em que procura alguns caras para levar pra casa com o aplicativo no estilo Grindr. Em uma das histórias, Meia-Noite precisa cumprir uma missão ao lado de Dick Grayson (Asa Noturna) e não deixa de passar várias cantadas no filho adotado do Batman.

MeiaNoiteGrindr

Essa é uma das coisas bacanas do personagem, a naturalidade com que expões sua sexualidade. Tanto em sua HQ solo, quanto em Stormwatch e Authority, Meia Noite deixa bem claro que é homossexual e que irá chutar a bunda (no mínimo) de quem falar alguma coisa contra isso.

Apesar de The Authority ser fantástica, o novo Meia Noite, solteiro, é muito mais interessante. Legal ver um super herói buscando um companheiro e passando cantadas nos caras que cruzam seu caminho.  Diferente de todos os outros heróis gays (Wiccano, Estrela Polar, Alan Scott, Colossus, etc) que apareceram simplesmente com seus respectivos companheiros, sem nenhuma menção sobre como foi a vida de solteiro de cada um.

MeiaNoite2

Quando falamos de heróis gays nas histórias em quadrinhos surge sempre algum universo paralelo para justificar suas existências. Uma forma de minimizar o impacto nos leitores homofóbicos conservadores é usar o típico “é de mentirinha”, ou “não é do mundo real”. Mas apesar Meia-Noite ter sido criado como uma versão alternativa de Batman, se tornou um personagem consistente e “trazido” para o universo oficial da DC. Legal também perceber como Meia Noite com sua personalidade e estilo durão conquistou e conquista fãs tanto gays quanto héteros.

O título lançado pela DC protagonizado pelo Meia-Noite foi lançado nos EUA, com o roteiro de Steve Orlando, que é assumidamente bissexual. Infelizmente este novo título ainda não tem previsão de ser publicado oficialmente no Brasil, então o que nos resta são as versões encontradas no internet. Espero que a Panini Books que tem feito vários lançamentos importantes, não deixe passar batida essa importante publicação.

MeiaNoite2015

Sobre Michel Furquim

Psicólogo, pós-graduando em Sexualidade Humana. Curioso e pesquisador nas áreas de sexualidade e relacionamentos. Aficionado pelo universo nerd, em especial HQs e Mangás.

Veja Também

Lista|5 produções que mostram o poder contra minorias

Notícias sobre retrocessos e o avanço do conservadorismo se tornaram quase que rotineiras. A ficção …