Página Inicial / Especial / [Especial] Guia para o leitor iniciante de quadrinhos (Parte 6 – Sagas da DC Comics 2)

[Especial] Guia para o leitor iniciante de quadrinhos (Parte 6 – Sagas da DC Comics 2)

Continuando o especial com as sagas mais importantes da DC Comics. Quase todos aqueles que querem começar a leitura das sagas da DC Comics ficam perdidos, sem saber por onde começar. Mas calma, porque estamos aqui pra deixar um pouco mais claro todas essa bagunça que é o (multi)verso DC.

Falamos AQUI das primeiras sagas

Nova Ordem Mundial

NovaOrdemMundial

Na segunda metade da década de 90, o autor Grant Morrison assumiu o título Os Melhores do Mundo, publicado aqui no Brasil na época pela editora Abril Jovem. Coloquei na lista como uma saga, mas na verdade foi uma fase onde houve o retorno a formação clássica da Liga da Justiça.

Uma das melhores fases da Liga nos quadrinhos, trazia os maiores heróis do universo DC contra ameaças consideráveis. Aqui também as diferenças entre pontos de vista e personalidades dos heróis ganham destaque, e mostram como cada um possui sua própria história e assim opiniões divergentes, mesmo com objetivos em comum.

Nessa fase, novos ícones são introduzidos e fixados na mitologia da Liga da Justiça, como por exemplo a Torre de Vigilância na órbita da Lua, o novo Aquaman (na excelente fase de Peter David), Kyle Rayner (o “último” Lanterna Verde), Batman e Superman “mortais” (pós Morte do Super-Homem e pós A Queda do Morcego).

A primeira parte desta fase já foi publicado em 2008 pela Panini, em um encadernado com capa dura. Esta mesma história será relançada na atual coleção da Eaglemoss, das principais histórias da DC Comics.

DC Um Milhão

DC1Milhao

Mini série escrita por Grant Morrison. A trama começa com a chegada da Legião da Justiça A, uma contraparte da Liga da Justiça do século 853. A equipe do futuro volta ao passado para realizar um convite à Liga da Justiça original para comparecerem ao ano 85.271, onde o Superman original retornará do exílio no Sol após 15 milênios.

A Liga da Justiça aceita ir para o futuro, enquanto a Legião da Justiça A fica protegendo o presente. Assim que a Liga parte para o futuro, um vírus é espalhado contaminando humanos e máquinas, ameaçando acabar com toda a existência. Os vilões agem no presente e no futuro, forçando os heróis de eras distintas correrem contra o tempo para impedir a destruição de todas as eras.

A minissérie traz coisas muito legais. No futuro, todos os planetas do sistema solar foram colonizados e cada herói se torna “guardião” de um planeta: Flash é o guardião do planeta Mercúrio, Mulher Maravilha a protetora de Vênus, Superman da Terra, Batman carcereiro de Plutão, etc.

Muitas ideias geniais de um possível futuro são introduzidas, como a neuronet, onde todos os seres são conectados por uma rede de sistema de comunicações telepáticas, podendo acessar qualquer informação simplesmente com o pensamento. As contrapartes do futuro de cada herói e suas histórias.

Nesta minissérie é criado um grande vilão e alguns personagens secundários ganham importância na trama, como a Caçadora, Aço e Starman. A saga foi publicada no Brasil no ano 2000 e até o momento não houve nenhum interesse de relançarem em formato encadernado. Vamos torcer. Até lá, quem tiver interesse terá que buscar em sebo ou na internet.

Crise de Identidade

CrisedeIdentidade

Uma das sagas mais elogiadas e criticadas da DC. Essa minissérie novamente retoma a parte humana dos super-heróis, mostrando quase que “os bastidores” daqueles que salvam o mundo. A trama é tão profunda e densa que é capaz de emocionar qualquer leitor de HQs, principalmente nas mortes que ocorrem nesta história.

A história começa com o assassinato de Sue, a esposa do Homem Elástico. Com esse acontecimento, os membros da Liga da Justiça buscam vingança, tentando encontrar o verdadeiro assassino. Se você é totalmente novato nas leituras da DC, vai entender nessa trama porque essa editora é considerada “sombria”.

Crise de Identidade traz uma reflexão sobre até onde vão os limites do super-herói. Quase que um questionamento moral de cada herói, no momento que se tornam mortais e não mais deuses mitológicos.

Nessa memorável trama, enxergamos as rachaduras na maior equipe da DC, podemos notar que heróis também possuem sentimentos e são totalmente passíveis de errar como qualquer mortal. Impossível não lembrar de Watchmen.

Lançada inicialmente em 2004 e relançada pela Panini em 2007, numa edição especial encadernada.

Crise Infinita

CriseInfinita

Crise nas Infinitas Terras, como já citamos, acabou com as Terras paralelas e toda a confusão da cronologia. Crise Infinita traz tudo isso de volta. Quê? Como assim? Exatamente, meu jovem. A DC achou que estava tudo muito fácil e decidiu trazer todo o Multiverso de volta e assim lucrar homenagear os 20 anos de CIT.

Na história, Alexander Luthor, da Terra-X, Superboy Primordial (Terra Prime), Lois Lane e Superman (Terra-2) sobreviveram à Crise nas Infinitas Terras em uma espécie de limbo, onde ficaram anos observando os acontecimentos na Terra restante.

Alexander não ficou nada contente com a atual realidade, que se tornou sombria e sem esperanças (vide Crise de Identidade). Assim, ele manipula o Superman da Terra-2 e com a ajuda do Superboy Primordial, conseguem sair do limbo e nesse processo trazem de volta o Multiverso. Cabe aos heróis da realidade oficial lutarem para que a Terra-1 não seja eliminada e derrotem Superboy Primordial e Alexander Luthor.

A Saga é confusa e é indicada apenas pra quem leu Crise nas Infinitas Terras, além de mais algumas citadas neste guia, pois há várias menções que podem bagunçar a cabeça até mesmo dos fãs. A volta do Multiverso em Crise Infinita, na minha opinião, foi uma cagada da DC, pois trouxe de volta um fator que sempre foi problema para os roteiristas: realidades paralelas.

Na época de seu lançamento (2005), houve uma grande expectativa que acabou frustrando vários fãs. A Panini relançou a saga em 2015, em um encadernado com capa dura.

52

52

Após a Crise Infinita, devido às perdas trágicas, os 3 maiores símbolos da DC (Superman, Batman e Mulher Maravilha) se aposentam temporariamente. Houve um salto cronológico de 1 ano, e 52 mostra os acontecimentos deste período.

Sem os principais heróis da equipe, a saga mostra como os restantes dos personagens lidam com as ameaças que continuam a assolar o mundo, e alguns personagens considerados de segundo escalão, se tornam os maiores heróis do planeta, como a Questão, Gladiador Dourado, Homem Elástico, Aço e outros.

O número 52 refere-se aos 52 mundos paralelos existentes no Multiverso e também é o número de semanas que existem em um ano. Esta série foi publicada durante 52 semanas (nos EUA) e cada semana mostrava um acontecimento daquele ano pós Crise Infinita.

Já tinham lido algumas destas sagas? De qual mais gostou?

Na próxima parte deste especial, falaremos de Crise Final, A Noite Mais Densa e Convergência. Até lá!

Sobre Michel Furquim

Psicólogo, pós-graduando em Sexualidade Humana. Curioso e pesquisador nas áreas de sexualidade e relacionamentos. Aficionado pelo universo nerd, em especial HQs e Mangás.

Veja Também

A Netflix audaciosamente revela o que ninguém nunca contou: quais são os episódios preferidos de Star Trek

LOS ANGELES (8 de setembro de 2017) — Streaming… a fronteira final!  Aquecendo os motores …