Página Inicial / Especial / [Especial] Guia para o leitor iniciante de quadrinhos (Parte 7 – Sagas da DC Comics 3)

[Especial] Guia para o leitor iniciante de quadrinhos (Parte 7 – Sagas da DC Comics 3)

Última parte das Sagas da DC Comics para os leitores iniciantes de HQs.

Chegamos a terceira e última parte de sagas da DC do nosso Guia para quem quer entrar no universo dos quadrinhos.

Crise Final

CriseFinal

Crise Final foi criada com a premissa de encerrar arestas de Crise Nas Infinitas Terras e Crise Infinita.

A história mostra algum momento onde o mal venceu o bem. O povo de Apokolipis venceu o povo de Nova Gênese. Por isso, os Novos Deuses foram obrigados a se fundirem à Equação Anti-Vida e reencarnarem como seres humanos.

O Novo Deus Órion é encontrado morto, prenunciando uma era de horrores para a humanidade. Logo se inicia o reinado do perverso Darkseid sobre todos os seres vivos do planeta. E a batalha épica entre o bem e o mal travada pelo tempo e pelo espaço, coloca em jogo o destino de toda a Criação.

Esta saga foi totalmente concebida por Grant Morrison, o mesmo de Nova Ordem Mundial e DC 1 Milhão. Mesmo fãs que já estejam familiarizados com o universo DC podem achar a narrativa confusa, pois há diversas citações do passado da DC e que nem todos tenham acompanhado.

Além complexidade da trama – que é o calcanhar de Aquiles dela, pois muitas vezes fica difícil saber o que tá rolando em meio a tantos eventos paralelos – há várias lacunas não preenchidas, o que deixa qualquer um boiando.

Devido ao excesso de críticas e a baixa vendagem na época (2008 – 2009), Crise Final acabou sendo um fracasso para DC. A Panini Books lançou um encadernado em 2015, mas se você é um leitor pouco familiarizado com a história da DC, não é uma boa pedida.

A Noite Mais Densa

NoiteMaisDensa

Esta é uma das melhores sagas da DC Comics, mas que é necessário ler a Lanterna Verde: A Guerra dos Anéis para entender sua origem. Lá é onde surge a profecia da Noite Mais Densa.

Após a morte do Anti-monitor, na guerra entre os Lanternas Verdes e os Lanternas Amarelos, seu corpo foi transformado em uma bateria de energia negra. Esta bateria deu origem aos anéis negros, que viajaram até os mortos, para que estes voltassem a vida, agora como Lanternas Negros. O líder desta tropa é o Mão Negra, um vilão meia boca da década de 60, mas que se tornou o antagonista principal desta saga.

Vários personagens voltam do mundo dos mortos, como zumbis, incluindo Aquaman, Rapina, Ajax (O caçador de Marte), Mulher Gavião, Flash e inclusive Bruce Wayne. Ressuscitados e com os anéis negros, eles se tornam imortais e não param por nada. Ou seja, muita gente empacota e ganha um anel negro durante toda a história.

O mais interessante da história são as tropas lanternas que acabam sendo aprofundadas nesta saga (algumas criadas) e como o universo do intergaláctico da DC é expandido. Com o surgimento dos Lanternas Azuis, Lanternas Índigos, Lanternas Vermelhos, o Lanterna Laranja e as Safiras (assim como a tropa Sinestro), os Lanternas Verdes deixam de ser os únicos responsáveis pelo “universo espacial”.

A conclusão da saga é sensacional e fica aberta para uma minissérie seguinte, o Dia Mais Claro. A saga foi lançada em 2009, escrita por Geoff Johns e algumas das edições ilustradas pelo brasileiro, Ivan Reis. Ainda não há uma edição definitiva ou encadernado.

Extra:    Ponto de Ignição

FlashPoint

Em Ponto de Ignição (Flashpoint), Barry Allen (o 2º Flash) vai parar num futuro alternativo onde o herói mais importante dos EUA é o Ciborgue, o Superman está confinado metros abaixo da terra pelo governo, o Batman não é Bruce Wayne, e sim seu pai, Thomas Wayne (e “a” Coringa, é a mãe, Martha). Mulher Maravilha e Aquaman estão em pé de guerra pelo controle da Europa, e posteriormente, do mundo.

Nesta série, Flash descobre que quem está por trás de toda essa mudança é o Professor Zoom e começa a persegui-lo para colocar as coisas no eixo.

Após a conclusão da história (que eu não vou contar aqui, apesar de quase todo mundo já saber), uma mulher encapuzada aparece e diz que os universos precisam ser realinhados e assim os 52 universos da DC são “zerados”. Quase todos os personagens têm suas histórias recontadas, e com isso tem início Os Novos 52.

Apesar dessa série ser extremamente importante para o universo DC, entrou na lista como um EXTRA, pois é a história do Barry Allen, e nenhum personagem que vemos aqui é da cronologia anterior ou permanece em Os Novos 52.

Lançada em 2011, está série já teve uma adaptação animada – Liga da Justiça: Ponto de Ignição – e a conclusão foi a inspiração para o fim da primeira temporada da série The Flash. Não há uma edição encadernada ainda, mas esta história já está na lista da coleção da DC da Eaglemoss, publicada atualmente no Brasil.

Convergência

Convergencia

Com as baixas vendas dos Novos 52, qual a decisão da DC? Vamos começar tudo de novo, oras!

Após a Terra 2 – Fim do Mundo e Os Novos 52 – O Fim dos Futuros, o vilão Brainiac aprisiona diversas cidades de vários mundos e eras temporais (mesmo aquelas que já se extinguiram) e as reuniu em um único planeta fora do tempo e espaço. As cidades devem lutar entre si e somente as vencedoras devem continuar existindo.

Com isso, temos desde Superman que conhecemos da Terra 1, como o Superman da Terra  2 (Val-Zod), Superman da Terra 30 (Entre a Foice e o Martelo), etc. É legal ver alguns personagens como aqueles visto em DC Um Milhão e Reino do Amanhã, entrando novamente em batalhas.

Convergência não cumpriu o que prometeu e o pior, anulou tudo que ocorreu em Crise Nas Infinitas Terras. Exato. A mais importante saga de toda a história do universo DC deixou de existir após Convergência. Segundo a DC Comics, isso foi para dar mais “liberdade criativa” para os roteiristas. Já sabemos onde isso vai dar, né? Reboot à vista.

A saga Convergência (Convergence) foi lançada em 2015 nos EUA e ainda não tem previsão para ser lançada aqui no Brasil. Talvez no início de 2016.

——————————————————————————————————————————

Espero que tenham gostado desta parte do Guia sobre a DC Comics. Lembrando que resumimos quase 70 anos de histórias em curtos textos, então é óbvio que MUITA coisa ficou de fora, como “Lendas”, “Milênio” e “Invasão”, que são ótimas sagas, mas que na minha opinião não possuem tanta relevância para os novos leitores.

Foram apresentadas sagas onde todo o universo DC foi afetado, mas indicaremos, posteriormente, histórias importantes para o mundo das HQs de personagens isolados, como “Crepúsculo Esmeralda”, “A queda do Morcego”, “A morte do Superman”, etc.

Sobre Michel Furquim

Psicólogo, pós-graduando em Sexualidade Humana. Curioso e pesquisador nas áreas de sexualidade e relacionamentos. Aficionado pelo universo nerd, em especial HQs e Mangás.

Veja Também

A representatividade nas HQs está acabando com a Marvel?

Na semana passada, o vice-presidente de vendas da Marvel, David Gabriel, em entrevista para a …