Página Inicial / Especial / [Evento] Gay Nerd Brasil na CCXP 2015!

[Evento] Gay Nerd Brasil na CCXP 2015!

O maior evento Nerd da América Latina!

Já podemos dizer, sem dúvida nenhuma, que agora temos uma Comic Con a altura das internacionais! O Brasil já teve feiras grandes como a Anime Friends, mas a CCXP é a primeira voltada para o universo pop em geral.

A CCXP deste ano aconteceu entre os dias 4 e 6 de dezembro, e reuniu milhares de fãs de quadrinhos, séries, games, anime, cardgame, cosplay, etc. O imenso pavilhão ficou pequeno para tanta gente! As atrações este ano provaram que a feira tem futuro e pode crescer ainda mais nos anos seguintes.

Apesar das várias lojas, estúdios e editoras que participaram do evento, muita gente veio para tentar ver de perto e conseguir uma selfie ou um autógrafo dos convidados famosos. Tivemos a simpática Evangeline Lilly (Vespa do Homem-Formiga e Tauriel do Hobbit) todos os dias do evento para o lançamento do seu livro infantil.

Na sexta feira, quem roubou toda a cena foi David Tennant (KillGrave de Jessica Jones e Doctor Who), acompanhado de Krysten Ritter (Jessica Jones), lotaram o auditório com mais de 2500 pessoas! Os atores autografaram vários pôsteres e tirar foto com os fãs!

Aliás, a Netflix foi quem conseguiu atrair grande parte do público, seja trazendo o elenco de Jessica Jones, como também trouxe a diva Jamie Clayton, Aml Ameen e Alfonso Herrera de Sense8. O stand da Netflix contou com um karaokê para o público mostrar todo o talento (SQN) cantando as músicas dos principais seriados (aproveitei para gritar bem alto hey! Hey! Hey! I said HEY! What’s going on?)!

Além do Netflix, o stand da Warner foi um dos mais fotografados, com os trajes do Batman, Mulher-Maravilha e Superman, que aparecerão no filme Batman V Superman: A Origem da Justiça. A Warner disponibilizou também vários equipamentos que o Batman utilizará no filme. E a galera também aproveitou para se maquiar de Arlequina, Coringa, Robin. A Marvel teve um stand tímido com uma réplica do escudo do Capitão América e estátuas do Homem de Ferro e do Capitão. Um telão exibia o novo trailer de Capitão América: Guerra Civil. A Fox mesclou seu stand com a divulgação de Deadpool e X-Men: Apocalipse, mas mesmo assim falou novidades do estúdio para feira.

Para as crianças “pequenas”, stand de Snoopy que estreia em 2016, Alvin e os Esquilos 4 (sério?), uma piscina gigante para divulgar Procurando Dory (Ok, não era só pra crianças). Divertidíssimos!

Para os fãs de quadrinhos, tiveram stand da sempre presente Comix e da Panini, mas sinceramente, os stands menores com algumas obras raras, estes sim me fizeram abrir a carteira.

Dentre as lojas presentes no evento, a que mais chamou a atenção e fez fila foi a Iron Studios. Com réplica em tamanho natural do Hulk lutando contra Hulkbuster, todos queriam tirar uma foto. E para os colecionadores, a venda de algumas figuras exclusivas causaram filas imensas!

Misha Collins (Castiel do Supernatural) teve uma recepção barulhenta e calorosa! O ator foi super atencioso e tirou várias selfies com os fãs da quilométrica fila. Outro que gerou uma fila gigantesca foi o autor Frank Miller. O pai de Cavaleiro das Trevas foi tietado por todos (que conseguiram) os fãs de HQs.

Outro autor fantástico que este na CCXP foi Mark Waid, responsável pela obra Reino do Amanhã. Além dos autógrafos, o autor ainda deu uma palestra sobre criação de roteiro para HQs, que fez todos babarem.

Nos dois primeiros dias de evento, quinta e sexta, muitos conseguiram caminhar e conferir todos os stands e lojas, e fazer compras tranquilas. Mas no sábado e domingo, estava quase impossível. Filas para tudo: entrar nas lojas, pagar, banheiro, bebedouro, etc.

O evento foi gigantesco, como prometido e trouxe muitos astros, algo que é realmente novo para nossas terras tupiniquins. Uma coletiva com elenco de séries e filmes é algo comum nos eventos em outros países, mas algo que está começando por aqui.

Algo que muitos não citam e que é uma das partes mais legais da CCXP é a Artist’s Alley, onde muitos desenhistas, quadrinista e ilustradores nacionais estavam divulgando seus trabalhos, alguns de altíssima qualidade. A oportunidade perfeita para conhecer uma história original, nacional e ainda ganhar um autógrafo do artista.

O evento foi épico. Trouxe artistas, lojas, fãs, cosplayers, mas nem tudo são flores. O evento apesar de ter sido realizado em um local grande para comportar o público, pecou em alguns pontos da infraestrutura. A entrada feita em meio a um pavilhão em construção, foi algo um pouco bizarro. No primeiro dia, foi um engraçado chegar ao evento com vários tratores e escavadeiras passando.

Todo mundo que vai para um evento desses quer tirar e postar fotos, mas a CCXP não contava com nenhuma rede para seus usuários. Já vi eventos bem maiores com WiFi para o público e que funcionou super bem. A organização do evento também colocou uns totens para recarga de celular, porém nenhum deles funcionava! Pense em um bando de Nerds com celular sem bateria! Um apocalipse estava prestes a acontecer. Sorte que no stand da Netflix haviam umas tomadas que funcionavam e, lógico, muitos fizeram fila para isso.

Já era esperado o excesso de pessoas devido ao tamanho do evento, mas foi constrangedor em alguns momentos, funcionários do Omelete dizendo ao microfone: “Vocês que estão no fim da fila, desistam! Vocês sabem que não vão conseguir entrar!”. Uó.

Algo que me incomodou um pouco também, que diz mais respeito ao nosso blog, foi uma mesa para discutir sobre a Diversidade no Universo Pop. No entanto, a mesa teve a presença de alguns youtubers que falaram basicamente de Sense8 e Jessica Jones.

Ok, gente. São séries fantásticas e importantíssimas para a representatividade, mas precisávamos de discussões sobre LGBTI nos quadrinhos, sobre a importância de editoras como a Panini trazer títulos com personagens gays, como Meia Noite. Faltou muita coisa sobre isso. Em uma próxima oportunidade, seria bom uma discussão sobre representatividade nas séries e nos quadrinhos, mas com pessoas que realmente pesquisem sobre o assunto.

Para quem está acostumado pesquisar e comprar HQs e figuras colecionáveis na internet, pode notar que os preços estavam bem salgados, algo que precisa ser repensado para a próxima edição. Uma feira grande desta seria uma oportunidade de fisgar novos leitores e novos consumidores, e muitos pagaram bem caro para estar lá, por isso acho justo disponibilizar descontos realmente significativos para quem compareceu e encarou enormes filas.

Sobre Michel Furquim

Psicólogo, pós-graduando em Sexualidade Humana. Curioso e pesquisador nas áreas de sexualidade e relacionamentos. Aficionado pelo universo nerd, em especial HQs e Mangás.

Veja Também

A Netflix audaciosamente revela o que ninguém nunca contou: quais são os episódios preferidos de Star Trek

LOS ANGELES (8 de setembro de 2017) — Streaming… a fronteira final!  Aquecendo os motores …

  • A matéria ficou muito linda