Página Inicial / Resenha e Crítica / Crítica - Quadrinhos / [Crítica] DC Universe Rebirth #1

[Crítica] DC Universe Rebirth #1

Começa o renascimento da DC Comics.

No dia 25 de maio, foi lançado nos EUA o tão aguardado reinício do universo DC nos quadrinhos. Com o universo cinematográfico sendo unificado e após o fracasso dos Novos 52, a DC decidiu realizar um novo reboot, mas sem nenhum reboot. Quem é fã das HQs da DC Comics já está acostumado com as infinitas (!) Crises e repaginada dos super-heróis, que as vezes dão certo (como em Zero Hora), mas muitas vezes não.

DC Rebirth (Renascimento, numa tradução literal), como já dissemos anteriormente, chegou com grandes responsabilidades: atrair novos leitores e recompensar os antigos fãs, que foram decepcionados em Novos 52. Para isso a DC aposta em trazer novos personagens (principalmente de pouca idade, para atrair jovens e adolescentes) e trazer de volta antigos personagens reformulados.

Antes do lançamento da primeira edição, algumas imagens e páginas “vazaram” na internet, deixando muitos leitores curiosos e fomentando dezenas de teorias. Esta jogada de marketing parece ter funcionado, afinal este nº1 vendeu mais de 235 mil cópias só nos Estados Unidos em menos de um mês. É um número expressivo se pensarmos que muita gente prefere ler os quadrinhos na internet ao invés de comprar a edição impressa.

Mas vamos falar da história.

A saga tem início com um narrador misterioso sobre o tempo e sua tentativa de retorna a nossa realidade. Em seguida vemos Bruce Wayne, ainda reflexivo sobre os acontecimentos da Guerra Darkseid, onde obteve conhecimento sobre muita coisa do universo e presenciou a morte do amigo, Superman.

O narrador desconhecido que está tentando retornar à nossa realidade aparentemente é Wally West, o Kid Flash clássico. Wally foi praticamente esquecido nos últimos anos (dentro e fora dos quadrinhos) e aparece para Batman tentando retornar para nossa realidade. O antigo Kid Flash – que se tornou Flash após a morte de Barry Allen em Crise nas Infinitas Terras – está preso na Força de Aceleração e tenta mandar uma mensagem para Bruce ajudá-lo.

Rebirth2

Wally cita a carta que Bruce recebeu de Thomas Wayne (Batman da Terra 2), dizendo que este foi o início de tudo. Esta carta, para quem não lembra, foi o final de FlashPoint (Ponto de Ignição) quando Barry Allen consegue retornar para sua linha temporal original e assim dando início aos Novos 52.

As falas de Wally e o contexto parecem quase que um pedido de desculpas da DC em relação a catástrofe que realizou após FlashPoint. O Kid Flash clássico explica que 10 anos foram tirados da cronologia original e por isso muitos heróis lendários se tornaram novatos. Aqui somos apresentados a trama principal que guiará Rebirth: alguém observou as mudanças no tempo que Barry realizou e decidiu alterar o universo. E este alguém ainda está por aí.

Wally West então vai atrás de outros heróis que podem ajudá-lo a traze-lo de volta. Nós e Wally observamos todos: Johnny Thunder, Damian Wayne, Aquaman, Aqualad, Besouro Azul, Constantine, Monstro do Pântano e todos os heróis que perderam algo após todas as mudanças.

O reencontro de Barry e Wally é emocionante. Wally West foi esquecido, assim como muitos heróis, mas alguém causou isso tudo. Alguém mais poderoso que Darkseid e qualquer outro ser que o universo DC já conheceu.

A história é recheada de muitos fanservices para leitores antigos, mas realiza uma explicação simples para que os leitores novatos se situem neste início da saga. Mesmo assim é recomendado que FlashPoint, A Guerra Darkseid e Watchmen (Before Watchmen também) sejam lidos.

Rebirth3

Watchmen? Sim, monamu. Watchmen será introduzido no universo DC, para a alegria de alguns e o desespero de muitos. Desde a primeira página até a última temos citações de Watchmen que dão um tempero a mais na história.

Ao mesmo tempo em que ler a conversa de Ozymandias com Dr. Manhattan no início de uma grandiosa saga da DC é instigante, fica aquele medo de destruírem mais uma equipe clássica das HQs, assim como já fizeram com Authority. Watchmen ainda é um clássico (quase) intocável, que quase foi profanado com Before Watchmen e utilizar heróis como Dr. Manhattan em um universo com Lanternas Verdes, Batman e Mulher-Maravilha pode trazer vendas, mas causar estragos irreparáveis.

Constantine, Ângela, Monstro do Pântano e todos outros heróis que foram introduzidos na salada que é o universo DC acabaram sendo descaracterizados e perderam sua essência. Vamos torcer para que os Minutemen façam apenas uma participação especial e não tenham funções chaves nessa saga que promete explorar novos horizontes.

A DC teria a oportunidade de simplificar o seu universo e deixa-lo mais atraente para os novos e antigos fãs, mas parece que ela tentará ir na contramão disso: uma família Supermen, três Coringas, dois Wally Wests, um irmão gêmeo da Mulher-Maravilha… Vamos aguardar pra saber o que vai dar nisso tudo.

A primeira edição possui uma arte indiscutivelmente belíssima, nas mãos de Erhan Van, Gary Frank, Ivan Reis e Phil Jimenez. O roteiro que ficou com o todo poderoso Geoff Johns, que não deixa a desejar, mas traz mais suspense e dúvidas do que propostas.

As primeiras edições de Batman, Superman, Flash, Aquaman, Mulher-Maravilha e Arqueiro Verde (que falamos AQUI  já foram lançados nos EUA e ainda não há previsão de quando a saga chega aqui no Brasil.

Rebirth4

 

Começa o renascimento da DC Comics. No dia 25 de maio, foi lançado nos EUA o tão aguardado reinício do universo DC nos quadrinhos. Com o universo cinematográfico sendo unificado e após o fracasso dos Novos 52, a DC decidiu realizar um novo reboot, mas sem nenhum reboot. Quem é fã das HQs da DC Comics já está acostumado com as infinitas (!) Crises e repaginada dos super-heróis, que as vezes dão certo (como em Zero Hora), mas muitas vezes não. DC Rebirth (Renascimento, numa tradução literal), como já dissemos anteriormente, chegou com grandes responsabilidades: atrair novos leitores e recompensar…

DC Universe

Rebirth

Nota

User Rating: Be the first one !

Sobre Michel Furquim

Psicólogo, pós-graduando em Sexualidade Humana. Curioso e pesquisador nas áreas de sexualidade e relacionamentos. Aficionado pelo universo nerd, em especial HQs e Mangás.

Veja Também

Crítica|Planeta dos Macacos: A Guerra

Planeta dos Macacos: A Guerra é o terceiro filme do reboot inspirado na franquia iniciada …