Página Inicial / Resenha e Crítica / Crítica - Quadrinhos / Crítica| Meia Noite e Apollo #1

Crítica| Meia Noite e Apollo #1

Eles estão de volta, juntos novamente e com título próprio.

Em 2015, recebemos a triste notícia que o título Meia-Noite (Midnighter) não sobreviveria ao Renascimento planejado pela DC Comics. Nós e o próprio Steve Orlando, responsável por escrever as histórias do personagem, ficamos chocados e revoltados com a decisão de acabarem com o único título onde um LGBT é o protagonista.

A tristeza foi temporária, pois a editora autorizou um novo título, agora com Meia-Noite e seu ex-marido Apollo. E em maio deste ano, foi lançado nos EUA Midnighter and Apollo #1.

Enquanto a DC remonta seu multiverso com a mega saga Rebirth, incluindo praticamente todos os personagens da editora, Apollo e Meia-Noite correm por fora, sem nenhuma menção a reformulação mostrada nos outros títulos. Nem mesmo na capa da HQ foi inserido a marca Rebirth.

Mas vamos à história dessa primeira edição.

ma1_2

Apenas recapitulando, na última edição de Midnighter, o herói reencontrou Apollo e aparentemente voltaram o relacionamento que tinham antes. Só pra variar, as coisas já começam com uma sequência de muita pancadaria e destruição.

Meia-Noite enfrenta uma gangue de “piratas” no metrô de Los Angeles que sequestraram algumas crianças. Sem muito esforço, o vigilante marrento derruba todos os adversários, com uma ajudinha do poderoso Apollo.

ma1_3

Após os vários corpos espalhados e os reféns salvos, os amigos Marina e Tony, fazem um jantar para Apollo e Meia-Noite – mesmo que este último não estivesse muito a fim. Em seguida temos uma das cenas que todos estavam esperando, que é um sexo dos dois na cozinha, enquanto lavavam a louça (!), “oficializando” o retorno do casal.

ma1_4

Porém, a ação contra os piratas do metrô deixou Apollo abalado e este questiona Meia-Noite sobre seus métodos violentos, sempre deixando um rastro de morte por onde passa. Meia-Noite responde que alguns simplesmente merecem morrer. Muitos comparam Apollo e Meia-Noite a Batman e Superman, e aqui fica bem claro que há uma diferença visível entre estas duplas.

Pra quem acompanhou The Authority, Stormwatch e o título solo de Meia-Noite deve lembrar do Doutor Henry Bendix. Meia- Noite retoma sua busca atrás do Dr. Bendix, responsável por realizar diversos experimentos, que transformaram nosso anti-herói na máquina de matar que conhecemos. Porém, Bendix já esperava por Meia-Noite e ataca o único ponto fraco dele, Apollo.

Esta primeira edição é apenas uma introdução a este novo arco, por isso a trama parece um pouco corrida e sem muitas explicações. Um ponto negativo, que pode atrapalhar alguns leitores de primeira viagem, é a ausência de informações sobre os protagonistas e o vilão, exigindo que o leitor tenha acompanhado o título Meia-Noite para entender os acontecimentos aqui. Outra coisa que me incomodou foi saber que o título terá apenas 6 edições. Seis edições, com 20 páginas cada uma, é muito pouco.

A arte desta edição ficou a cargo do Fernando Blanco – um pouco inferiores aos traços do ACO, do título Midnighter, mas nada que incomode tanto – e as cores ficaram com o já conhecido Romulo Fajardo Jr.

A não inclusão de Meia-Noite em Rebirth é algo que soa estranho. Como já citamos algumas vezes aqui no blog, personagens LGBT geralmente são inseridos em universos paralelos e não oficiais, e não incluir este título na saga em andamento soa até como discriminatória. Pra se ter uma ideia, DC Rebirth tem 2 títulos só pro Esquadrão Suicida e 1 para Arlequina. E nem vamos falar em quantos títulos Batman aparece…

Steve Orlando, bissexual assumido, tem feito um ótimo trabalho com Meia-Noite e sabemos que este novo título é resultado direto de sua luta para que este personagem se mantenha na ativa nos quadrinhos.

Além da HQ de Apollo e Meia-Noite, Steve também está participando do projeto Love Is Love, para homenagear as vítimas da boate Pulse. NOTA: 3 estrelas

Eles estão de volta, juntos novamente e com título próprio. Em 2015, recebemos a triste notícia que o título Meia-Noite (Midnighter) não sobreviveria ao Renascimento planejado pela DC Comics. Nós e o próprio Steve Orlando, responsável por escrever as histórias do personagem, ficamos chocados e revoltados com a decisão de acabarem com o único título onde um LGBT é o protagonista. A tristeza foi temporária, pois a editora autorizou um novo título, agora com Meia-Noite e seu ex-marido Apollo. E em maio deste ano, foi lançado nos EUA Midnighter and Apollo #1. Enquanto a DC remonta seu multiverso com a mega…

Meia Noite & Apollo

#1

Nota

Esta primeira edição é apenas uma introdução a este novo arco, por isso a trama parece um pouco corrida e sem muitas explicações. Um ponto negativo, que pode atrapalhar alguns leitores de primeira viagem, é a ausência de informações sobre os protagonistas e o vilão, exigindo que o leitor tenha acompanhado o título Meia-Noite para entender os acontecimentos aqui.

User Rating: 2.55 ( 1 votes)

Sobre Michel Furquim

Psicólogo, pós-graduando em Sexualidade Humana. Curioso e pesquisador nas áreas de sexualidade e relacionamentos. Aficionado pelo universo nerd, em especial HQs e Mangás.

Veja Também

Crítica|Planeta dos Macacos: A Guerra

Planeta dos Macacos: A Guerra é o terceiro filme do reboot inspirado na franquia iniciada …

  • Luc

    Quem dera lançarem aqui no Brasil :/

    • Michel Furquim

      Já mandei mensagens pra Panini Comics Luc e a resposta foi “sem previsão”.
      Ou seja, por enquanto teremos que nos contentar com as versões online e/ou as importadas.
      🙁

      • Eduardo

        A Panini deve ter aproveitado a publicaçao de Rebirth pra “pular” a fase DC You (ainda que Midnighter foi o UNICO que não ganhou encadernado/não foi publicado no Brasil).
        E com a volta da Wildstorm, a DC ficou meio perdida com Meia Noite e Apolo – não tem mais como inseri-los no Batverso, também ficaram “grandes demais” prum reboot de Stormwatch/Authority (e já tem um casal gay coadjuvante em The Wild Storm).
        Acho que vão aparecer só em especiais, feitos por Orlando, Phil Jimenez ou outro artista “da comunidade”. Uma pena.

        • Eduardo

          E a(s) cena(s) de sexo podia(m) ser mais quente(s). Camelot 3000 foi bem mais explicito com duas mulheres nos anos 1980.

  • Kess

    Preciso dessa HQ! Ela ainda está sendo publicada (nos EUA)? O que se sabe sobre a atual situação dos dois na DC? Comecei a procurar mais sobre o casal depois de ler ” The Authority” e, apesar da felicidade de ver uma revista só pra eles, me deparei com textos falando que a DC poderia deixá-los de lado.
    Espero que continue trazendo mais do Meia Noite e do Apollo pra gente. Os dois são maravilhosos juntos! Quero muito acompanhar tudo sobre eles!
    Obrigada pela crítica!