Página Inicial / Resenha e Crítica / Crítica - Filme / Crítica|Moana – Um Mar de Aventuras

Crítica|Moana – Um Mar de Aventuras

“Eu sou Moana de Motunui”

Você vai ouvir essa frase muitas vezes quando assistir à Moana – Um Mar de Aventuras. Isso porque a jovem faz questão de lembrar a si mesma quem é e de onde veio, o que a motiva a ser forte e corajosa.

O mais novo longa da Disney conta a história de Moana, uma jovem da polinésia que se vê dividida entre assumir seu papel como chefe de sua tribo ou desbravar o oceano e conhecer o mundo. Incentivada por sua avó, a garota decide embarcar numa jornada para salvar sua ilha da destruição.

O filme é dirigido por John Musker e Ron Clemments, dupla responsável por filmes como A Pequena Sereia (1998), Aladdin (1992), Planeta do Tesouro (2002) e A Princesa e o Sapo (2009), e conta com algumas figuras famosas como Dwayne Johnson e Nicole Scherzinger no elenco. Como muitas produções da Disney, o filme é um musical e tem canções originais feitas por Mark Mancina, Lin-Manuel Miranda e Opetaia Foa’i.

Apesar de ser considerada uma “princesa” em sua tribo, Moana é bem diferente das princesas clássicas da Disney. Mais parecida com as recentes Merida (Valente, 2012) e Anna (Frozen, 2013), a personagem tem atitude e determinação pra ir atrás do que quer. Mesmo sem conhecer o oceano ou saber navegar, a garota viaja em direção à Te Fiti, uma ilha que teve seu coração roubado e, por isso, está doente, ameaçando destruir tudo ao redor.

Moana, a mais nova heroína da Disney.

No caminho, Moana precisa da ajuda de Maui, um semideus que pode se transformar em diversos animais. Inicialmente relutante, Maui é convencido a ajudar a garota a devolver o coração de Te Fiti e salvar Motunui, local onde Moana vive. Juntos com Hei Hei, o galo de estimação da jovem, eles enfrentam diversos desafios, como uma tribo de coquinhos e um monstro de lava.

Maui, o semideus que adora falar de si mesmo.

Como é esperado da Disney, o filme diverte e emociona públicos de todas as idades. O jeito atrapalhado de Moana, o jeito convencido de Maui e o jeito perdido de Hei Hei garantem as risadas enquanto a relação de Moana e sua avó trazem emoção à trama. Além disso, o filme tem muita ação, já que tanto a garota quanto o semideus não tem medo de lutar e se arriscar pelo que acreditam.

Moana e sua avó, que além de amiga, é também sua mentora.

Visualmente impecável, o filme mostra paisagens inspiradas nas ilhas da Polinésia. Com um ar paradisíaco, o filme tem como cenário ilhas, praias, mares, cabanas e montanhas. Sem falar nos figurinos, que nos levam a uma cultura pouco conhecida no ocidente. Tatuagens tribais, roupas tecidas à mão e cores vibrantes mostram como os personagens tem orgulho de sua cultura.

Apesar de ser um filme muito bem feito, o roteiro acaba deixando um pouco a desejar. Comparado à complexidade do enredo de filmes recentes como Frozen (2014) e Zootopia (2016), Moana tem uma história bem simples. Logo no primeiro ato é anunciado o objetivo da garota e tudo segue essa direção até o fim. Não existem muitas surpresas ou revelações que todo mundo gosta de ver. Apesar de ter uma “surpresa” em relação à ilha que a garota precisa salvar, essa revelação não interfere no desenvolver da missão da garota.

Moana e Maui em direção à Te Fiti.
Maui, o semideus que adora falar de si mesmo.

A profundidade de alguns personagens também desaponta um pouco. Moana, obviamente, é muito bem construída, já que vemos a garota crescer e entendemos todas as suas motivações. Já Maui, apesar de ser um ótimo personagem, poderia ser muito melhor se seu passado fosse devidamente explorado. Ele fala, em certa altura do filme, sobre sua relação com seus pais e como se tornou um semideus, mas a cena é muito rápida para desenvolver qualquer emoção. Um personagem que não tem função alguma na narrativa é Pua, o porco de estimação de Moana. O animal é tão insignificante que nem na viajem vai: ele só aparece no começo e no fim do filme.

Pua, o porquinho que está no filme simplesmente porque alguém quis.

O longa, apesar de ser muito divertido para nós, do ocidente, encontrou certos problemas com o público da Polinésia. Sendo uma história que se passa nessas ilhas, a população do local sentiu que, muitas vezes, a história usa muitos estereótipos e passa uma imagem romantizada do lugar.

Bem, isso não é surpresa. Praticamente todas as produções de Hollywood que falam sobre uma cultura não americana transbordam estereótipos e ideias que não condizem com a realidade daquele povo. Nós podemos sentir isso em alguns filmes com histórias que se passam no Brasil, como o filme Rio (2011), em que o Brasil parece ser um paraíso de florestas, pássaros coloridos, favelas, praias, bundas e carnavais.

Cena do filme Rio em que uma bola bate na bunda de uma mulher. Porque isso é muito necessário e apropriado pra um filme infantil.

A produção, porém, traz conceitos importantes para a época em que está inserida. Atentando-se à questão de representatividade, a Disney está cada vez mais atenta às transformações da sociedade. Era impensável 10 anos atrás, por exemplo, que hoje estaríamos vendo um filme em que uma garota da Polinésia é a heroína da Disney.

Resumindo, Moana é um filme que vale a pena ser assistido. Seja pela diversão, pelas paisagens ou pela representatividade, o longa cumpre seu papel como mais uma obra de sucesso da Disney, apesar de não estar à altura de obras mais recentes da empresa, em questão de narrativa.

"Eu sou Moana de Motunui” Você vai ouvir essa frase muitas vezes quando assistir à Moana – Um Mar de Aventuras. Isso porque a jovem faz questão de lembrar a si mesma quem é e de onde veio, o que a motiva a ser forte e corajosa. O mais novo longa da Disney conta a história de Moana, uma jovem da polinésia que se vê dividida entre assumir seu papel como chefe de sua tribo ou desbravar o oceano e conhecer o mundo. Incentivada por sua avó, a garota decide embarcar numa jornada para salvar sua ilha da destruição. O…

Moana

Filme

Nota

Como é esperado da Disney, o filme diverte e emociona públicos de todas as idades. O jeito atrapalhado de Moana, o jeito convencido de Maui e o jeito perdido de Hei Hei garantem as risadas enquanto a relação de Moana e sua avó trazem emoção à trama.

User Rating: 3.75 ( 2 votes)

Sobre Gregory Damaso

Estudante de Comunicação que adora todo tipo de arte. Fã declarado de cultura pop maisntream, é do tipo que não para de falar do filme ou série depois que termina de ver.

Veja Também

Crítica|Inumanos – Primeira Temporada

A produção que havia sido anunciada como filme, chegou a telinha – e telona, com …