Página Inicial / Indicação Nerd / Indicação Nerd| The Get Down

Indicação Nerd| The Get Down

The Get Down é uma série original da Netflix que se passa no início do movimento Hip Hop nos Estados Unidos e que mostra a vida de adolescentes das periferias sendo influenciados por esse momento. 

A história se passa na cidade de Nova York, especificamente no Bronx, numa época em que diversas minorias ficavam relegadas a uma parte da cidade repleta de poluição, sujeira e degradação. Eis que no meio de toda essa confusão um importante gênero musical começava a aparecer, o Hip Hop. É a partir daí que somos apresentados aos principais personagens dessa história, Ezekiel (Justice Smith), o protagonista, parte em busca do famoso Shaolin Fantastic (Shameik Moore) junto com seus amigos Ra-Ra (Skylan Brooks), Marcus “Dizzee” Kipling (Jaden Smith) e Boo-Boo (Tremaine Brown Jr.), sua amiga/interesse amoroso Mylene Cruz (Herizen Guardiola) é filha de pais evangélicos que não concordam com sua ideia de ser cantora, suas melhores amigas são Regina (Shyrley Rodriguez) e Yolanda (Stefanée Martin). 

Se você quiser entrar mais ainda na atmosfera da série, sugiro que escute a playlist que está disponível no Spotify enquanto lê esse texto.

Além desses personagens você ainda vai ser apresentado a uma série de outros, o que pode acabar causando uma confusão na sua cabeça, mas isso não deve ser motivo para desistir, por que por mais que o episódio seja longo é justificável, afinal ele precisa apresentar o universo que será melhor trabalhado no decorrer dos próximos cinco episódios.

De início, a partir de um contexto geral, imaginei que a séria trataria mais uma vez de algum ponto na história dos Estados Unidos, mas percebi assistindo os episódios da primeira parte da primeira temporada que as questões discutidas estão além. Em The Get Down a importância não está apenas num momento em que o país viveu, mas sim em como os efeitos do racismo afetaram as pessoas. Ao invés de valorizar a meritocracia a série foca em mostrar as relações entre os indivíduos e como eles reagem a esse ambiente nocivo.

Uma das principais vítimas desse sistema e coincidentemente o protagonista da história é Ezekiel, a série me conquistou no momento em que ele mostra o seu dom para a professora, foi possível então perceber sua dor em cada palavra recitada e provavelmente vai arrancar algumas lágrimas dos seus olhos também, mas além disso em The Get Down as músicas são muito bem trabalhadas. Essa é uma série musical, mas diferente do que inicialmente possa se passar na sua cabeça quando a palavra “musical” é lida, a música faz parte da história e a complementa de maneira primorosa.

Não se deixe enganar pelo episódio inicial que parece tratar apenas adolescente vivendo grandes aventuras nos subúrbios de Nova York, cada personagem tem a sua importância na trama e eles tem um plano de fundo que traze a sensação de serem pessoas reais e isso contrasta muito bem com os momentos mais fantásticos e cantados que empolgam e emocionam.

Se ainda assim você não se sentir atraído pela série, saiba que além de todos esses motivos a ela também leva a questão da representatividade mais além e por mais que a série já tenha estreado ha um certo tempo não vou comentar mais para não dar spoilers, mas temos personagem trans, personagem gay e tem uma amostra do quanto o público gay foi importante para influenciar o mercado musical.

Ao meu ver o elenco feminino foi muito bem representado, além de terem os seus interesses amorosos elas também têm suas histórias aprofundadas e não são tratadas como uma muleta para superação do personagem principal. A Mylene tem tanta importância na história quanto o seu interesse amoroso, tanto que a história dos dois parece fluir igualmente em questão de importância e desenvolvimento dos personagens.

As amigas da Mylene de início parecem servir apenas para repetir alguns estereótipos, mas gostei que cada uma delas tem personalidades diferentes e marcantes, porém mesmo com as suas diferenças elas ainda assim se mantém unidas.

Conforme os episódios vão se passando você vai percebendo as consequências dos atos de cada personagem e como eles são afetados por elas. No último você apenas está torcendo para que alguma coisa dê certo na vida daquelas pessoas e a cena final além de trazer um conflito interessante ainda emociona.

Infelizmente na época de lançamento The Get Down foi ofuscado por algum “grande acontecimento”, mas essa é uma indicação que faço com tranquilidade, são apenas seis episódios, que apesar de serem longos conseguem intercalar muito bem músicas, temas importantes e fantasia.

Sobre Angresson da Silva

Nascido em 88, ariano, meio diferentão devido ao ascendente em aquário e que adora conhecer novos animes, mangás, HQ's, jogos, filmes e séries, sempre se preocupando com a representatividade em todas essas mídias. Ainda não formado, mas gosta de escrever suas opiniões e se auto intitula um Nerd Fajuto por não se identificar com os padrões de muitos Nerds.

Veja Também

Crítica|Star Trek Discovery 1.05 – Choose Your Pain

O “retorno” de um antigo personagem e a confirmação do primeiro casal gay de uma …