Página Inicial / Especial / Power Rangers e Tokusatsus

Power Rangers e Tokusatsus

O novo filme dos Power Rangers estreou no dia 23 de março, mas provavelmente nem todo mundo tem conhecimento da grandiosidade desses heróis.

Por esse motivo decidimos comentar um pouco sobre a sua história e o universo que os envolve.

Tudo começou no ano de 1993 quando a Saban Entertainment lançou o primeiro episódio da saga Power Rangers nos Estados Unidos. Em 1994 eles chegaram ao Brasil através do canal pago Fox, a partir de 1995 a rede Globo passou a exibir a série na sua grade em programas como TV Colosso, Bambuluá e TV Globinho. Power Rangers fez tanto sucesso que foi exibido pelo canal durante 17 anos.

Mas vamos voltar um pouco no tempo. A série Mighty Morphin Power Rangers apresentou para o público estadunidense e consequentemente para o mundo esse gênero que já fazia sucesso no Japão desde 1975, com séries como Himitsu Sentai Goranger e JAKQ Dengekitai.

Fora do mercado Japonês o que chamou a atenção do público brasileiro foi a série Jaspion, que conta a história de um garoto humano que sobreviveu a queda de uma nave espacial. No acidente seus pais morreram e ele foi resgatado pelo homem que lhe daria o seu icônico nome e criaria a armadura de Metaltex, o metal mais resistente do universo. A série Jaspion foi exibida pela rede Manchete a partir de 1988 junto com o Esquadrão Relâmpago Changeman, uma série de Super Sentai que contava a história de cinco jovens que defendem o planeta terra de uma ameaça conhecida como Gôzma.

Mas antes disso já haviam séries no Japão conhecidas como Tokusatsus, essas contavam histórias como a do Kamen Rider, de 1971, que acompanhava geralmente um garoto que poderia se transformar num grande lutador com forma de gafanhoto e uma armadura superpoderosa. Apenas duas sagas chegaram em terras tupiniquins nos anos noventa, através também da extinta TV Manchete.

Um dos antecessores dos quintetos e dois heróis vestidos como insetos foi National Kid, de 1960. Depois vieram Ultraman, de 1966, esse inclusive serviu de inspiração para a criação dos Pokémon Staryu e Starmie, que tem no centro do seu corpo um cristal que pisca enquanto emite um som para alertar que ela está ficando fraca.

Talvez um dos grandes trunfos da série seja o fato de saber se reaproveitar dos elementos básicos da história, como morfar ou usar uma roupa que solta faíscas mesmo sendo obviamente de pano. Além destes e outros elementos, Power Rangers e os outros Tokusatsus também tinham características icônicas como as cidades de papelão quando os heróis ficavam gigantes ou quando estavam nos seus megazords, a pedreira da Toei que sempre aparecia nos episódios dos Power Rangers, além é claro de ter uma história que seguia a mesma estrutura: uma ameaça aparece, os heróis vão atrás do vilão, enfrentam monstros mais básicos na sua forma civil, se transformam e depois lutam contra o inimigo gigante.  

Por incrível que pareça isso não era cansativo, porque sempre havia uma outra história como pano de fundo. A cada temporada novos personagens e formações eram apresentados, por isso que quando o filme do Power Rangers foi anunciado muitas pessoas foram a loucura. Conforme o tempo foi passando foram percebendo que os elementos que fizeram parte das suas infâncias estavam sendo alterados e que pouco do original estaria ali, mas não se deixe enganar, afinal isso não é capaz de tornar um filme ruim. É preciso ter em mente que essas novas adaptações não estão sendo feitas para agradar o público antigo, mas sim as novas gerações, e que bom, essa é uma maneira muito mais efetiva de fazê-los terem contato com aqueles elementos que fizeram a adolescência/infância de muitas pessoas melhores. Isso pode inclusive se tornar tópico de uma conversa entre um nerd mais novo com um mais velho. Dessa forma poderá ocorrer além da troca de informações a troca de fluidos. Mas lembrem-se, sempre com proteção.

Além de todos esses motivos para assistir esse filme de peito aberto existe também a necessidade de se lembrar que os Power Rangers/Super Sentais/Tokusatsus sempre foram capazes de se reinventar. Então quando for assistir o filme novamente ou se você como eu ainda não o viu, vá de peito aberto e tenha em mente que aquilo não precisa ser nada além de pura diversão.

Sobre Angresson da Silva

Nascido em 88, ariano, meio diferentão devido ao ascendente em aquário e que adora conhecer novos animes, mangás, HQ's, jogos, filmes e séries, sempre se preocupando com a representatividade em todas essas mídias. Ainda não formado, mas gosta de escrever suas opiniões e se auto intitula um Nerd Fajuto por não se identificar com os padrões de muitos Nerds.

Veja Também

Crítica|RuPaul’s Drag Race 9.10 – Makeover: Crew Better Work

E não é que RuPaul’s Drag Race conseguiu entregar não um, mas dois episódios bons …