Página Inicial / Especial / Especial | HQs da Mulher-Maravilha que você precisa conhecer

Especial | HQs da Mulher-Maravilha que você precisa conhecer

Ela tem a beleza de Afrodite, a velocidade de Hermes, a força de Hércules, a capacidade de se comunicar com Gaia – também conhecida como a Mãe-Terra -, a sabedoria e estratégia militar de Atena, capacidade de falar com os animais de Ártemis e pode se projetar de forma astral em várias terras. Ufa! Além disso, nas novas histórias, ela é a filha de Zeus (o que já lhe dá uma bela herança, né?) colocando-a entre os seres mais poderosos do universo DC. E agora também podemos incluir em seu currículo um filme cinematográfico do universo estendido da DC Comics!

Há muito tempo acompanhamos as histórias da Mulher-Maravilha sonhando com o dia em que Diana seria representada nas telonas. E este dia finalmente chegou! Mas você conhece bem a princesa das amazonas?

Mulher Maravilha é o alter-ego da princesa Diana de Temiscira (Themyscira), conhecida também como a Ilha Paraíso. A ilha é habitada apenas por mulheres, as poderosas Amazonas, lideradas pela Rainha Hipólita.

A princesa das Amazonas, diferente de seus companheiros da Trindade, não possui uma origem única, tendo sua história recontada de diferentes formas a cada novo reboot ou mudança no multiverso DC. Algumas versões mostram Diana sendo esculpida no barro por sua mãe e ganhando vida graças a benção dos deuses. Outras dizem que ela é filha de Zeus e Hipólita. De qualquer maneira ela ganhou poderes que superaram suas companheiras amazonas, ganhando assim o título de embaixadora de Temiscira.

Mulher-Maravilha – Desafio dos Deuses

Grande parte da mitologia da Mulher-Maravilha foi criada por George Pérez e Greg Harry Potter. Antes de Crise Nas Infinitas Terras, a história da Mulher-Maravilha era uma bagunça, mudando completamente a cada novo roteirista. Mas após a Crise, Greg Potter aproximou Diana dos elementos da mitologia grega e Pérez ajudou a popularizar as histórias da Mulher-Maravilha entre os novos leitores.

Pérez ficou à frente do título da princesa das amazonas durante muito tempo, produzindo as melhores fases da heroína desde sua criação. E em Desafio dos Deuses questões mais densas são abordadas nas páginas da Mulher-Maravilha, como estupro e misoginia.

A Mulher-Maravilha derrotou Ares, o deus da guerra, e assim retorna a Temiscira. Zeus, manipulado por Pan, quer que Diana como recompensa pela derrota de seu filho. Porém, Diana não precisa de macho nenhum, muito menos o Deus do Olimpo, né? Como punição pela recusa, Diana precisa enfrentar uma série de desafios na parte inferior da Ilha Paraíso, para salvar sua mãe Hipólita e as amazonas.

A arte de Pérez é ótima, mas que pode desagradar alguns fãs mais novos, devido ao excesso de cores e aos cabelos que lembram os anos 80. O roteiro é de Len Wein. Este arco foi recentemente publicado pela Panini Comics na edição #2 de Lendas do Universo DC – Mulher-Maravilha.

Mulher-Maravilha – O Espírito da Verdade

A HQ mais bela da Mulher-Maravilha e que todo fã da princesa deveria ter. O Espírito da Verdade faz parte de uma coleção que conta histórias dos principais heróis da DC Comics, todas desenhadas por Alex Ross e com o roteiro de Paul Dini (Superman – Paz na Terra, Shazam – O poder da esperança, Batman – Guerra ao crime).

As ilustrações de Alex Ross (O Reino do Amanhã e Justiça) são um espetáculo à parte, mas o enredo é tão marcante quanto. A HQ aborda a visão que Diana tem convivendo com os mortais e suas reflexões sobre o mundo que a enxerga como uma aberração. A humanidade, especialmente as autoridades, enxergam a embaixadora de Temiscira como uma ameaça, especialmente quando esta interfere em conflitos de ordem política.

Uma das coisas mais legais neste especial é Diana aprendendo com o Superman a desenvolver uma identidade secreta para entender melhor a natureza humana, e viver com os pés no chão. Raridade publicada no Brasil pela Editora Abril em 2002.

Mulher-Maravilha – O desafio de Ártemis

Muita gente torce o nariz para este arco da Mulher-Maravilha, mas eu vou citá-lo mesmo assim. O legal desta saga para é a noção de que a Mulher-Maravilha é um título, independente de quem o ocupa.

Nos anos 90, Bruce Wayne quebrou algumas costelas e foi substituído pelo lunático Jean-Paul (Azrael), Clark Kent levou uns sopapos do Apocalipse e foi substituído por 4 Supermen (Aço, Erradicador, Super Ciborgue e o Superboy Kon-El), e com Diana não foi diferente. Hipólita teve visões de que a Mulher-Maravilha morreria em um futuro próximo, e com medo de perder sua filha, convoca um novo concurso para a embaixadora de Temiscira.

Várias amazonas competem, inclusive Diana – contrariando sua mãe -, mas a filha de Hipólita cai antes da linha de chegada e Ártemis vence o concurso, se tornando a nova Mulher-Maravilha. Ártemis é bem mais violenta e “direta” do que Diana, lançando umas flechas primeiro e perguntando depois.

Durante este tempo, Diana atuou sem seus poderes, com um sutiã, uma jaqueta e um cabelo channel. Ártemis morre como consequência de sua imprudência e Diana volta a ser a Mulher-Maravilha. O maior ponto negativo desta série é a arte que ficou por conta de Mike Deodato Jr., desenhando as personagens femininas com anatomia surreal e homens com corpos bizarros.

Mulher-Maravilha – Hiketeia

O que aconteceria se a Mulher-Maravilha enfrentasse o Morcego de Gotham? A gente sabe o resultado.

 

 

 

 

 

 

 

 

Mas os executivos da DC acharam legal colocar os dois em um embate e graphic novel se tornou um clássico das HQs. Hiketeia é uma Graphic Novel escrita por Greg Rucka e desenhada por J. G. Jones, onde uma suposta criminosa invoca a proteção de Diana, através do juramento de Hiketeia. O juramento diz que a suplicante deve ser protegida a qualquer custo pelo suplicado, e caso a Hiketeia não seja cumprida as Erínias (entidades mitológicas) virão para arrancar a carne dos ossos do suplicado.

O grande problema é que esta criminosa estava sendo perseguida pelo Batman. Agora a Mulher-Maravilha terá que enfrentar seu colega da Liga da Justiça para impedir que sua protegida seja presa e salvar a própria pele das Erínias.

A história é relativamente curta, mas que mostra uma história emocionante, a devoção de Diana perante as tradições de seu povo e as suas origens. Publicada no Brasil em 2003 pela Panini Comics.

Mulher-Maravilha – Renascimento: Ano Um

Nunca leu uma HQ da Mulher-Maravilha e não está nem um pouco a fim de ir atrás de edições antigas? Então corre pras bancas e compre Mulher-Maravilha – Renascimento que começou a publicar o arco Ano Um.

Este arco mostra a origem da princesa das amazonas, possivelmente para aproximar a história da heroína das HQs com a das telonas. A história mostra uma Diana curiosa em relação ao mundo exterior e explora a atmosfera da Ilha Paraíso. Aqui acompanhamos o resgate de Steve Trevor e como a Mulher-Maravilha tem o primeiro contato com o mundo dos homens.

A HQ é desenhada por uma mulher, Nicola Scott, e seu trabalho é fantástico. O traço de Nicola mostra Diana com feições de ingenuidade, mas ao mesmo tempo coragem, de um jeito mais humano. O roteiro é de Greg Rucka, que conta de forma simples a origem da amazona, mas ao mesmo tempo criando links com as novas versões criadas para a Mulher-Maravilha, como a animação da heroína.

Mulher-Maravilha – Renascimento: Ano Um começou a ser publicado pela Panini Comics no título Mulher-Maravilha #2 do Universo DC Renascimento. Nos EUA, Wonder Woman – DC Rebirth: Year One foi publicado intercalando a história atual de Diana.

 

Curiosidades da Princesa das Amazonas

– Diana é o nome da deusa da caça e da Lua na mitologia romana, constantemente representada por uma mulher com um arco e flecha e um cão ao seu lado. Era considerada a versão da deusa grega Ártemis, também associada à Lua e à caça. Nas HQs, Ártemis e Diana são duas pessoas diferentes, e Ártemis é uma das poucas amazonas que possui força que se equipara a Diana. Ártemis e Diana nas HQs possuem uma rivalidade natural, mas protegem uma a outra, como irmãs.

– Na saga DC Um Milhão, ficamos sabendo que no século 853 as amazonas colonizaram o planeta Vênus, se tornando um planeta onde a presença de homens era proibida. A versão futurista da Mulher-Maravilha foi esculpida em mármore vivo, que recebeu o espírito da Deusa da Verdade – por isso a pele totalmente branca. Possui braceletes que identificam ameaças e formulam as melhores estratégias de defesa e ataque, asas nos tornozelos que permitem a heroína voar e um escudo indestrutível.

– Além da versão futurista, a Mulher-Maravilha também possui sua versão maligna. Na Terra 3 do Multiverso, os super-humanos são todos vilões, formando o Sindicato do Crime, e um de seus integrantes é a SuperWoman. Porém, nesta realidade, seu alter-ego não é Diana, mas Lois Lane.

– Poucas as vezes em que Diana tombou perante um adversário. E sua derrota mais marcante foi contra uma outra heroína, Tempestade. No crossover entre Marvel e DC, na década de 90, Ororo e Diana se enfrentaram, e a princesa das amazonas caiu perante a força da Tempestade.

– No crossover entre as duas editoras, Tempestade levou a melhor, mas no especial Amalgama, Ororo e Diana foram fundidas na heroína Amazona.

– Diana possui uma irmã caçula, Donna Troy, também conhecida como Moça-Maravilha. Ela foi uma das fundadoras dos Novos Titãs, ao lado de Dick Grayson e Wally West. A moça já foi uma Darkstar e também ocupou o cargo de Mulher-Maravilha após Crise Infinita. Ela desapareceu em Flashpoint, mas retornou em DC Rebirth.

– A Maravilha está sempre pronta a ajudar outras heroínas, como quando vai para Gotham ajudar a Batwoman a enfrentar a Medusa. Diana também deixou claro, que “precisando, é só chamar”.

Sobre Michel Furquim

Psicólogo, pós-graduando em Sexualidade Humana. Curioso e pesquisador nas áreas de sexualidade e relacionamentos. Aficionado pelo universo nerd, em especial HQs e Mangás.

Veja Também

A Netflix audaciosamente revela o que ninguém nunca contou: quais são os episódios preferidos de Star Trek

LOS ANGELES (8 de setembro de 2017) — Streaming… a fronteira final!  Aquecendo os motores …