Página Inicial / Indicação Nerd / Indicação Nerd|Afro Samurai

Indicação Nerd|Afro Samurai

Não é nada pessoal, é apenas vingança.

Afro Samurai surgiu inicialmente no mangá criado por Takashi Okazaki em 1999 e em 2007 ganhou uma animação com cinco episódios que contam com a dublagem de Samuel L. Jackson.

Logo no início do anime já é possível perceber que não é recomendado para menores, já que o sangue só falta jorrar pela tela, porém, se você gosta de histórias mais violentas e não se incomoda em ver partes de corpos sendo cortadas e constantes (e exagerados) esguichos de sangue, então esse é um anime feito para você.

Os dois primeiros episódios servem para apresentar um pouco do universo e de alguns personagens. A estética nos faz ter a sensação de que a história se passa no Japão Feudal, mas alguns detalhes como celulares e outros aparelhos eletrônicos nos faz perceber que ela se passa na realidade num Japão futurista.

O terceiro episódio é provavelmente um dos melhores. Logo no início existem críticas a sociedade que servem inclusive para algumas questões atuais, te carregando assim para algumas reflexões, entretanto as coisas acontecem de uma maneira tão lindamente absurda que tem batalhas que deixariam o Goku com inveja, misturando Hip Hop e momentos sensacionais de humor, no final, mesmo que algumas gotas de sangue tenham respingado na sua cara, você ainda termina o episódio sorrindo e feliz com todos os absurdos.

Já o quarto episódio é mais lento e em alguns momentos até mesmo cansativo, mas quando os fatos começam a ligar e as coisas começam a fazer sentido o peso dos acontecimentos é emocionante. É bastante interessante perceber como são muito bem trabalhadas as diferenças entre os japoneses e o Afro, tanto que em diversos momentos existem closes que realçam os seus traços trazendo assim uma sensação de que aquele personagem é totalmente diferente daquele lugar, mas é acolhido como um membro da comunidade sem que suas diferenças físicas interfiram nos seus relacionamentos. Inclusive vale ressaltar que durante todo o Anime é possível perceber o perfeito equilíbrio entre a cultura japonesa e alguns elementos da cultura negra, isso vai desde o Hip Hop em momentos chave até, como já disse antes, no realce das características físicas do personagem principal.

O quinto episódio serve como um ponto final definitivo da história, as respostas de alguns questionamentos ainda em aberto são dadas e existe a confirmação de um fato que para muitos pode lembrar o filme Clube da Luta, isso é claro em meio a diversas reflexões e a uma animação que representa toda a ideia que foi trabalhada ao longo da série. Existe um claro gancho para uma possível continuação que aconteceu e foi chamada de Afro Samurai: Resurrection.

O filme se passa após os eventos do anime e mantem as mesmas características, como banhos de sangue, uma bela animação e o alivio cômico proporcionado pelo amigo do Afro. Como já era de se esperar a qualidade de imagem do filme é bastante superior ao anime, assim como a qualidade do áudio, sendo que podemos perceber a música ainda mais presente em diversos momentos. Há também uma preocupação em mostrar que a história se passa no futuro, como se servisse para clarear a mente daqueles que talvez tenham saído confusos do anime sem perceber que a história se passa num futuro distópico, porém um aspecto que pode parecer negativo em alguns momentos é a dublagem em inglês. Quem acompanha animes legendados tem uma percepção de como algumas falas soam no idioma original e tanto no anime, como no filme, esses momentos chegam acompanhados de um desconforto. Talvez se mantivessem o Afro, que é uma grande representação de algo fora daquela realidade, com a dublagem em inglês e os japoneses com a dublagem no seu idioma funcionaria melhor do que ter praticamente todas as vozes feitas em inglês.

Outro fato que chamou a minha atenção foi a cena de luta que culmina numa mensagem muito forte e que me fez refletir. No final de todas brigas e batalhas a história de alguma maneira pode acabar por se repetir criando assim um ciclo sem fim daquilo que chamou a atenção logo no primeiro episódio, a sede por vingança, repetindo assim mais um aspecto da cultura japonesa, a persistência e foco nos seus objetivos.

Algo que incomoda bastante e que não era presente no anime é a questão da hiperssexualização de uma personagem feminina. São feitos closes desnecessários em seu corpo e momentos em que ela aparece em cena lembram bastante as partes sexualmente apelativas que afastam as pessoas mais “problematizadoras” dos animes convencionais. Contudo existe uma profundidade na personagem e as suas motivações são convincentes, mas como nem tudo são flores ela acaba por não ter uma verdadeira identidade no filme, isso chega a ser entristecedor já que era uma personagem com potencial para um desenvolvimento incrível.

A terminar o longa é possível perceber uma tentativa de reprodução daquilo que chamou a atenção na obra principal ao mesmo tempo em que traz novos questionamentos que são pertinentes ao universo criado. Logo, vale a pena ser assistido e apreciado, principalmente por aqueles que gostam de fazer maratonas, já que o anime tem cinco episódios com cerca de trinta minutos cada e o filme tem uma hora e meia de duração.

PS: No anime existem muitas referências a Lemonade, seria essa uma previsão do que estaria por vir nos anos futuros?

Sobre Angresson da Silva

Nascido em 88, ariano, meio diferentão devido ao ascendente em aquário e que adora conhecer novos animes, mangás, HQ's, jogos, filmes e séries, sempre se preocupando com a representatividade em todas essas mídias. Ainda não formado, mas gosta de escrever suas opiniões e se auto intitula um Nerd Fajuto por não se identificar com os padrões de muitos Nerds.

Veja Também

Crítica|RuPaul’s Drag Race 9.11 – Gayest Ball Ever

O baile mais gay do mundo está aqui, mas nem tanto É chegado o momento …